Novo neurônio humano é descoberto por cientistas: Rosechip

09/03/2018  —  By

Um novo tipo de neurônio denominado rosehip ou rosa mosqueta foi  identificado por cientistas a em humanos. Por este motivo, surge uma expectativa de que ele auxilie em tratamentos experimentais destinados a doenças no cérebro, ainda realizado em ratos de testes.  A notícia foi publicada na Nature Neuroscience, onde revela que 34 cientistas elaboraram o trabalho junto ao instituto Allen e a Universidade Szeged.

Este estudo é importante porque, segundo pesquisadores, abrem portas para um novo design do cérebro humano. Este novo neurônio foi localizado na primeira camada do cérebro (neocórtex) que é a que comanda a consciência e qualquer dano nessa parte pode afetar as funções cognitivas da mente.

Este neurônio é parte do grupo chamados de inibidores, os que impedem a ação dos demais organismos celulares. O que tem deixado os cientistas intrigados é que a sua união com o parceiro celular só é possível por meio de uma parte específica da massa, o que sugere que eles controlem o fluxo de informações de modo peculiar.

Leia também: Cérebros de ‘pessoas mentirosas’ são diferentes dos de ‘pessoas normais’

De acordo com os dados da pesquisa realizada, nunca foi encontrado um corpo celular similar a este, tão particular por seu formato, conexão e genes.  Os cientistas que comandaram a pesquisa explicam que pelo motivo dessas células não terem sido encontradas em animais analisados nos laboratórios, explica o porque de muitos estudos que não funcionaram em humanos, funcionaram em roedores e vice-versa.

O neurônio foi reconhecido como algo incomum em células de tecidos cerebrais, que foram doações de dois adultos do sexo masculino, no momento em que  catalogavam células  baseadas em  impressões digitais genéticas e anatômicas. Essa novidade permite a criação de modelos ideais e ajustáveis ao órgão mais importante. O estudo seguirá com a exploração do córtex externo de primatas, com objetivo de comprovar alterações  em pacientes com distúrbios neuropsiquiátricos.